Translate

sábado, 19 de agosto de 2017

Aniversário de Maxs Peu

Os DJs que tem vários amigos nas redes sociais sabem que diariamente tem um ou mais DJs aniversariando, mas nem todo o dia é dia do aniversario do DJ Maks Peu, considerado e respeitado por todos, já que a sua bagagem é relatada como quilométrica, tanto é que muitos se referem a ele como o pai de vários DJs cariocas. Só não pensem que os elogios param por ai, até acho que o melhor de todos é: DJ Maks Peu, a lenda viva e creiam nada disso o torna intratável. O seu relacionamento com os DJs, mesmo os que não façam parte do seu rol de amigos, é sempre cordial e isso é uma marca, tipo bandeira que o Maks Peu levanta.

O evento que homenageou o Maks Peu foi organizado fielmente pelo DJ Paulinho, afinal quem não se lembra da dupla Paulinho e Paulão, da equipe de som BLACK POWER? Pois é, foi o Paulinho que contatou todos os amigos do Peu e junto com alguns simpatizantes, informaram sobre o evento, que pôde contar com a maioria dos amigos, todos chegando e saindo em diferentes horas do evento, justo por ter sido comemorado no sábado, dia cujos DJs estão comprometidos.

Todos os DJs que puderam permanecer no evento saíram ganhando, pois tiveram a oportunidade de ver e ouvir os grandes naipes dos bailes das antigas, se bem que ainda hoje temos a realização de vários bailes, que com toda tecnologia não chegam a impressionar como nos bailes do passado, porém o que importa é saber que atualmente não existem mais os órfãos dos DJs que se aposentaram, achando que já estavam fora do mercado. Com os atuais bailes de clubes, todos estão de pé, voltaram a atuar e continuam dando o melhor dos seus limites.
By Sandra Gal - Agosto/2017

domingo, 16 de outubro de 2016

"Fala mano, toca o Sucuri aí que o patrão "tá" pedindo"


Gente, depois que os clubes foram fechados para os bailes funks, em meados da década de 90, as equipes de som tiveram que migrar para os eventos nas comunidades. E, como todo mundo sabe, foi uma verdadeira febre, com inúmeros bailes nos mais diversos locais.
Toquei em várias comunidades: Guaporé, Vidigal, Rocinha, Proença Rosa, Santa Marta, Pavão Pavãozinho, Vigário, dentre outras. Todas elas, sem exceção, tiveram uma história na minha passagem como dj, mas uma, certamente, jamais esquecerei.
O fato ocorreu na comunidade do Jacarezinho, alí num local chamado de Praça XV. O equipamento era da CHIGACO DISCO SEX. Fui fazer o baile com uma pequena quantidade de discos, sem atentar para o que poderia ocorrer mais tarde. Toca daqui, mixa de lá, corta daqui, dá uma idéia de lá, galera dançando e, num dado momento, um jovem morador catucou as minhas costas e disse: " ...estão pedindo para tocar a Melo do Sucuri." Eu, como sempre, atencioso demais (rsrs), respondi: " ... mais tarde eu toco". Não demorou 15 minutos, o mesmo jovem me catucou e disse: " ... Estão querendo escutar a Melo do Sucuri". Bem, pedi desculpas ao jovem menino e disse que tocaria a música mais tarde. Nesse momento, depois de uma rápida reflexão, eu começei a pensar que poderia ter aproveitado a vida de forma melhor ! rs
Eu, na verdade, depois de uma busca incansável, constatei que eu não tinha levado o disco, o tal do Sucuri, popularmente conhecida pela massa funkeira. O hit é do Arcade Gang (Radioactivity). No começo diziam que era a melo do pastel e, depois, fixou na boca do povão como Sucuri.
Cerca de 20 minutos, o mesmo rapaz voltou e, dessa vez, acompanhado de mais 3 homens, acreditem ou não, todos armados até os dentes (rs). Recebi do prezado jovem um convite especial para acompanhá-lo. Naquele instante eu disse para o Pimpinela, dono da CHIGAGO DISCO SEX: " ... Pimpinela, vou até alí rapidinho e já volto (??????!!!!). O olho do Pimpinela quase pulou. Gente, andei por vários becos, escoltados de forma amigável pelos ilustres meninos e fui apresentado a um rapaz, que mais parecia um daqueles atores de filmes mexicanos, com um baita charuto e uma garrafa de tequila na mão, sem contar, é claro, o poderoso arsenal que o rodeava. Acho que foi nesse momento que os meus dentes começaram a despencar, diante de tanta apreensão e medo. O cara chegou e indagou: " ... E aí DJ, vai tocar o Sucuri ou não ??? ..."
Hoje estou aqui comentando essa passagem, cujo desfecho não poderia ser outro. Dei uma idéia responsa, não toquei o Sucuri, ele ficou satisfeito com o papo e ainda mandou pra mim: " ... Dj, dá um teco aí ! Eu respondi: "... Pô brother, desculpas, mas eu não tenho prática em pontaria ! rs.